08 Setembro 2021

E QUANDO QUEM CUIDA É NEURODIVERGENTE?

E QUANDO QUEM CUIDA É NEURODIVERGENTE?

Por Luciana Viegas

Começo este texto ressignifi cando o termo “gestar”. Todos nós gestamos sejam sonhos, pessoas, projetos. Aqui, gestar é sobre escolher acolher uma vida (parindo ou não).

Gestar uma vida durante meses dentro de nós (seja no coração ou no útero) faz com que algo novo, humano, simples e confuso aconteça em nossas cabeças e no nosso coração quando olhamos pela primeira vez para aqueles olhos que acabaram de nos encontrar em seu mundo.

Eu não estou romantizando, eu estou dizendo que acontece algo, algo muda a nossa realidade.

Mas e quanto a nós, pessoas autistas/ neurodiversas que têm filhos(as)?

Quando o Luiz nasceu e eu pude pegá-lo pela primeira vez no colo, imediatamente quis colocá-lo no berço. Não queria chorar. Eu queria pular, girar, “autistar”, tamanha a emoção e felicidade. Na época, eu não sabia ainda que era autista e sempre encarei esses “impulsos” como minha “maluquice’’ (no sentido capacitista da palavra). Assim que peguei o Luiz, fi quei com ele pouco tempo no colo e o coloquei no berço da maternidade, e fui andar pelo quarto. Todos no quarto me olharam com um “olhar acusador”. Um ar de: “você não esperou isso durante a gestação toda?” e foi nesse dia que conheci a “culpa de ser uma mãe neurodiversa”.

Há um estereótipo da maternagem nas expressões:“o cuidador cuida mas nunca é cuidado”, “não reclama”, “não enfraquece”. E quando quem exerce a parentalidade é neurodivergente? Esses processos nos deixam um ar de: “será que tenho sido sufi ciente?”.

Veja bem, quando na semana tudo que nos sobra é uma crise de disfunção executiva e a vontade de não levantar da cama, como fi cam nossos filhos?

Quando o choro é alto e nos falta o controle de entender que aquilo é um processo do aprendizado, gerando crise de transtorno do processamento sensorial em nós, neurodiversos?

A idealização do cuidar perfeito é inalcançável e atinge todas as mulheres de maneira muito mais intensa. Entretanto, nós, pessoas neurodiversas, sabemos que nosso cuidar é diferente. Nossa maneira de lidar com as crises, birras e afetos do dia a dia é diferente, não incomum, mas diferente. Não há erro em às vezes se irritar com choro, em precisar de uma hora de silêncio para o corpo voltar ao normal e se regular, em não passar horas amamentando sem ter uma desregulação sensorial após a amamentação. Não está errada a maneira incomum de demonstrar afeto, caso ele não seja através do abraço e do toque, caso ele seja por meio de ações.

Não deveríamos nos sentir culpadas por não corresponder à expectativa capacitista da sociedade de que “nunca seremos como outras mães”. Que possamos romper com a ideia do “cuidar” perfeito na sociedade, para nós, neurodiversos; que possamos autistar em paz, sorrir sem culpa e ficar em silêncio sem nos sentirmos insuficientes.

Afinal, qual criar é ideal? 

Fonte: Revista do Autismo, Edição nº 12

Compartilhe:

Atendimento

Adultos - (63) 3026-7836 - 98419-7223
401 Sul, Av. Teotônio Segurado, Conj. 01, Lt. 01, Sala 305, Ed. Espaço Médico Empresarial, Palmas - Tocantins - CEP.: 77015-550

Infanto-Juvenil - (63) 98419-7223
Quadra 309 Sul, LO-05 Lote 19. Sala 01 e 02, Palmas - Tocantins - CEP.: 77.015-526